top of page

MARIA, ESPOSA DO ESPÍRITO SANTO, ENSINA-NOS A FAZER TUDO POR AMOR

Desde a criação do mundo e ao longo da história da salvação, Deus comunicou o seu amor à humanidade através da ação do seu Espírito e da participação redentora do seu Filho. A graça salvadora que nos foi concedida tem em Maria um digno representante; com a generosidade de seu FIAT, Maria, representando toda a humanidade, acolheu em seu coração o projeto de Deus e, pela ação do Espírito, concebeu em seu seio o Salvador. Meditando o texto da Anunciação, encontramo-nos diante do mistério da aliança de Deus com a humanidade; Ele não realiza suas obras arbitrariamente, não entra repentinamente na história para realizar os seus planos. Ele é um Deus que respeita a nossa liberdade; o seu estilo não é de imposição, mas de amor que move e conquista a vontade humana.


O "fiat" de Maria permanece, portanto, pleno e incondicional. A comparação deste "fiat" pronunciado por Maria com o "fiat" que ressoa em outros momentos cruciais da história da salvação é espontânea: com o "fiat" de Deus no início da Criação e com o "fiat" de Jesus na Redenção. Todos os três expressam um ato de vontade, uma decisão (Cantalamessa, 1990, p.11).

O Sim de Maria é a continuidade e a renovação da Aliança. Antes que o milagre da encarnação ocorra biologicamente em seu corpo, Maria livremente abraça e adere à vontade divina. Assim, com a sua obediência na fé, entra na aliança de amor de Deus com a humanidade. "O "sim" de Maria não é apenas um ato humano, mas também divino, porque foi suscitado pelo próprio Espírito Santo no mais profundo da alma de Maria" (ibidem), dizemos que Ela é a Esposa do Espírito Santo porque deixa-se conquistar pelo amor de Deus e, nesta lógica de doação gratuita, aceita plenamente a Sua vontade.

Contemplando o exemplo de Maria, aprendemos o estilo da ensinabilidade cristã. Quem aceita fazer parte da aliança com Deus entra numa dinâmica de fé que não exclui o uso da razão humana. Maria pergunta ao anjo como se realizará o plano de Deus; ela está ciente de que, de acordo com o que lhe é anunciado, algo lhe acontecerá que não é humanamente possível. Maria é uma mulher concreta e realista, a sua atitude não é a de quem se questiona de forma incrédula e inconformista, mas questiona-se e raciocina para entrar melhor no projeto de Deus; porém, diante do mistério divino que talvez não compreenda plenamente, reconhece que o Senhor, a quem ofereceu a sua vida, lhe pede uma confiança profunda e uma fé arraigada no amor.

Movida pelo amor

A ação do Espírito encheu o coração de Maria, revestiu-a da sua graça, fazendo dela a morada do Salvador. Na comunhão de amor que a une à Trindade, Maria é impelida a sair ao encontro do próximo. A visita a Isabel, ícone do serviço e da caridade, é interpretada como expressão e continuidade do sim generoso de Maria. O Amor que habita no seio de Maria não é uma experiência íntima, é uma graça que é dada e comunicada em uma profunda alegria.

Quando Maria fica sabendo que sua prima Isabel espera um filho, apesar de sua idade avançada, ela interpreta os fatos com fé: nada é verdadeiramente impossível para Deus; embora o poder de Deus seja grande, Ele conta com a nossa adesão ao seu plano. Maria percebe que também Isabel, como ela, deu uma resposta generosa que provavelmente envolve algum sacrifício. Então Ela levantou-se e partiu apressadamente para encontrar a sua parenta.

As referências evangélicas são conhecidas: a relação íntima (não só porque no texto de Lucas vem imediatamente a seguir) entre a experiência da Anunciação e a viagem que Maria empreende "apressadamente" para visitar e servir a sua parenta Isabel. Mais ainda: o "sinal" que o anjo Gabriel dá à Virgem não é tanto uma confirmação teórica convincente, capaz de temperar a sua confiança em Deus, mas antes um convite à missão, a "pôr-se a caminho", a levar para Isabel e a família (inclusive para o nascituro João Batista) Aquele que traz a alegria, Jesus (Chávez, 2012).

Maria coloca-se em um único movimento de amor: para com Deus e para com o próximo. Ela reconhece que, como ela, o Senhor pede a cada um que dê a própria contribuição à história da salvação. A caridade da Mãe de Deus é arraigada na fé e se projeta em gestos concretos de esperança.

Há um detalhe marcante no texto da visita: “Maria partiu apressadamente”. Esta expressão faz-nos pensar na força e na intensidade do amor que existe no coração de Maria que, além de mexer com ela interiormente, leva-a ao encontro do próximo. A sua disponibilidade é a de uma mulher que ama, a sua presteza em fazer o que o Senhor lhe pede pode ser entendida nesta perspectiva: ama porque crê e, ela crê porque ama.



A certeza do amor de Deus exprime-se no jubiloso anúncio do Magnificat. A ação de graças que ela proclama com os lábios está em harmonia com a generosidade de seu Fiat diário. Maria louva a Deus porque olhou para a humildade de sua serva, porque viu Nela um solo dócil e fecundo para operar a salvação.

Fazei tudo por amor, nada por força Contemplamos o exemplo de Maria que, deixando-se abraçar pela graça e pelo amor de Deus, viveu a sua vida na alegre adesão à vontade divina.


Tal convicção do Amor que toca e transforma a vida foi bem expressa nas palavras e no testemunho de S. Francisco de Sales. Ao celebrarmos o 400º aniversário da sua passagem para o céu, recorramos à sabedoria da sua mensagem para enriquecer a nossa reflexão. Com a mesma certeza de que Deus continua e atualiza sua aliança com a humanidade, Francisco de Sales indica um ponto de partida.


Para dar o primeiro passo no amor de Deus, é necessário que Ele, manifestando-se ao homem como Deus-Amor, o atraia, solicite a sua liberdade. Mas é preciso esclarecer que o papel de Deus vai ainda mais além. Ele não se contenta em convidar o nosso coração a escolher, mas também o ajuda nesta escolha, trazendo a sua ajuda. A escolha do amor pelo homem é um ato do coração humano e do coração de Deus (F. de Sales).


À medida que somos atraídos pelo amor de Deus, cresce em nós o desejo de descobrir o que Ele nos pede e de assumir um estilo de vida cada vez mais evangélico. Cada um, sentindo-se pessoalmente amado, faz a sua livre escolha do amor no estilo próprio da vocação a que foi chamado. Precisamente porque a fidelidade se tece pacientemente na vida de todos os dias e porque nem sempre é fácil viver em verdadeira harmonia com a vontade de Deus, a resposta que damos a Deus deve ser construída sobre o fundamento da fé e numa constante renovação do amor.

Francisco de Sales recorda-nos que o espírito de liberdade, próprio de quem ama e pôs a sua confiança em Deus, é o critério que inspira a nossa obediência e nos torna verdadeiramente dóceis para uma missão: "Devemos fazer tudo com amor e nada por força. É melhor amar a obediência do que temer a desobediência. Deixo-vos com o espírito de liberdade, aquele que exclui a coerção, o escrúpulo e a agitação". A experiência de se sentir pessoalmente amado por Deus e a atenção constante ao que Ele nos pede introduz-nos na dinâmica da doação e da caridade. É a partir daí que começa a tarefa de realização humana, uma realidade na qual se realiza um autêntico caminho espiritual. O amor "é o movimento, a marcha e a direção do coração para o bem" (F. de Sales); se Deus nos ama, é na prática concreta do bem, no exercício constante da caridade para com o próximo que podemos expressar melhor o nosso amor por Ele. Seremos capazes de servir, educar e viver a nossa missão no mundo se nos abrirmos à Sua vontade com docilidade, inspirados pelo modo como o próprio Deus nos ama.


Seguindo o exemplo de Maria e bebendo das fontes da nossa espiritualidade salesiana, somos convidados a reler a nossa vida e a refletir sobre a resposta de amor que tentamos dar ao Senhor todos os dias. O nosso FIAT cotidiano é uma escolha livre, fruto de uma experiência de amor que supera a nossa vontade e se torna sinal visível para um mundo que procura a luz do Senhor.

Para oração pessoal e meditação

  1. Sinto-me pessoalmente amado pelo amor de DEUS?

  2. Realizo gestos concretos de caridade a exemplo de Maria?

  3. Abro-me com docilidade à vontade de Deus, seguindo o exemplo de como Ele me ama?

  4. A minha resposta diária ao Senhor é fruto de me sentir profundamente amado por Ele?

Compromisso mensal

Buscarei todas as noites agradecer por uma pequena ou grande coisa boa que acontecer no dia.

Posts recentes

Ver tudo

Comments


LogoAdma2015PayoffADMA-OnLine_edited.png
bottom of page